Veja os melhores cursos multidisciplinares da Saúde em Fortaleza

Publicado por IDE Cursos em 11 de abril de 2018
Categorias:
Veja os melhores cursos multidisciplinares da Saúde em Fortaleza

Cada especialidade da área de Saúde trata de um aspecto voltado para o bem-estar do ser humano, atentando aos seus detalhes e particularidades para prover um tratamento de qualidade aos pacientes. E o que acontece quando tem-se a interseção entre diferentes áreas da Saúde dentro de um único tratamento? Neste artigo, vamos falar da abordagem multiprofissional em saúde e dos cursos multidisciplinares em que você pode investir para qualificar sua carreira.

Um tratamento de obesidade, por exemplo, requer a atenção de um nutricionista, que analisa e reformula um cardápio adequado ao propósito de melhorar a alimentação do paciente. Mas existem outros aspectos que também demandam a atuação de mais de um profissional de especialidades para complementar o tratamento.

Pode ser um psicólogo, por exemplo, para lidar com as transformações mentais pelas quais o paciente precisa passar. Ou um endocrinologista, quando há influência do funcionamento das glândulas endócrinas no ganho de peso. Um cirurgião plástico, se for preciso remover pele e remodelar o corpo do paciente após o tratamento. Além de enfermeiros, assistentes sociais e outros especialistas, cujo apoio é fundamental para o sucesso de cada procedimento.

Portanto, para manter-se atualizado, confira o post que preparamos e veja os melhores cursos multidisciplinares da saúde em Fortaleza!

A importância da abordagem multidisciplinar na Saúde

A multidisciplinaridade na Saúde é importante na medida em que proporciona uma visão humanizada da situação dos enfermos. O foco do especialista será em sua área de atuação, porém, quando inserido em uma equipe formada por profissionais de diferentes áreas, a equipe como um todo poderá adquirir e trabalhar a partir de uma visão mais ampla do caso.

Ainda levando em consideração o exemplo do tratamento da obesidade, o nutricionista não pode tratar dos aspectos psicológicos ou sociais do emagrecimento de seu paciente. Mas inserido dentro de uma equipe composta por profissionais de diversos saberes, a interface entre um especialista e outro torna o atendimento mais complexo, e também completo e humano.

O princípio da multidisciplinaridade está em “atacar” um problema de saúde em diversas frentes, de forma a minimizar todos os impactos possíveis ao mesmo tempo. Há um entendimento de que a saúde é um complexo em que um sistema está ligado ao outro, relacionando-se e influenciando o todo.

Voltando ao exemplo da obesidade, pouco adianta providenciar uma dieta sem avaliar o impacto que a nova alimentação terá na saúde cardíaca do paciente, ou prover uma assistência psíquica sem que o seu entorno familiar contribua com o caso. A equipe estudará o caso em conjunto, articulando a atribuição de cada um e conciliando as especificidades de cada atendimento.

Possíveis abordagens multidisciplinares na saúde

Seja no atendimento clínico, seja nos tratamentos ou mesmo na pesquisa e desenvolvimento, a formação de equipes que congreguem os diferentes saberes da saúde humana é valorizada, se não fundamental, na atualidade.

Com o avanço da medicina, uma visão complexa é capaz de dar conta de todas as particularidades de doenças ou tratamentos. E mais do que isso, conhecimentos externos à saúde também apresentam impactos e não podem ser ignorados.

Por muito tempo, se analisou a questão do suicídio como fenômeno isolado, decorrente de fatores únicos e ligados à saúde mental das pessoas que realizaram este ato. Porém, quando se passou a analisar também o ambiente e as características regionais de onde a pessoa estava inserida, novos dados apareceram para complexificar e qualificar o atendimento.

Tais informações possibilitaram que as equipes de saúde mental pudessem analisar os cenários em que um paciente demonstra maior propensão a tomar uma atitude como essa e, desta forma, atuar preventivamente. É o que acontece em comunidades muito pobres e isoladas do Brasil, onde o suicídio é uma possibilidade quando as pessoas não encontram mais sentido na própria vida. Equipes de saúde pública têm a possibilidade de atuar lá para evitar essas ocorrências.

A partir de exemplos como esse, é possível entender como a multidisciplinaridade é vital para a medicina atual. É o que possibilita a articulação com outras áreas, que também contribuem com o entendimento dos fenômenos em saúde, mesmo que não estejam ligados a ela diretamente.

A educação, a sociologia, a política, por exemplo, são fatores que determinam a saúde e a influenciam. Portanto, devem ser consideradas para um melhor atendimento.

Algumas situações que requerem o trabalho conjunto de especialistas

Equipes compostas por médicos, traumatologistas e peritos para tratar de vítimas de acidentes de trânsito. Ou grupo formado por ginecologista, obstetra e anestesista para realizar um parto de emergência. Aqui estão mais exemplos de como a união de especialistas, sejam eles de áreas diferentes ou até com alguma proximidade, mas com foco distinto, se unem para prover um bom atendimento.

No dia a dia de um hospital é possível identificar diversos exemplos. Nos laboratórios, onde epidemiologistas, biomédicos e clínicos estão juntos para interpretar os exames. Enquanto os primeiros avaliam os cenários de propagação e difusão que podem ter levado à ocorrência de doenças, os biomédicos analisam os materiais coletados para tentar identificar os elementos presentes no organismo, e o clínico geral interpreta e encaminha ao tratamento necessário.

Na pediatria, pediatras, traumatologistas, psicólogos e psicopedagogos estão reunidos para atender as crianças quando necessário. A multidisciplinaridade requer uma interface entre os especialistas para encontrar pontos em comum e agir sobre o problema pesquisado.

E isso ocorre em todas as áreas da Saúde. O avanço desse entendimento vem gerando um estímulo à formação de equipes múltiplas e ao incentivo do estudo e da especialização para a multidisciplinaridade.

É por isso que fazer cursos multidisciplinares é muito válido para os especialistas que desejam atuar em áreas nas quais as equipes serão requeridas, como também para ampliar seus conhecimentos. Tais cursos, que podem ser tanto especializações quanto extensões de ensino, capacitam o profissional a ter uma visão mais ampla sobre certa especialidade e para atuar nesta interface.

Isso para que ele saiba a extensão de sua atuação dentro de cada caso e como se valer dos conhecimentos dos colegas para prover o melhor atendimento possível. Ainda neste artigo, falaremos sobre algumas opções de cursos interessantes para capacitar profissionais de Saúde em um atendimento múltiplo.

Os tratamentos que obtêm mais sucesso se abordados de forma multidisciplinar

São inúmeros os casos em que as equipes múltiplas são requeridas. Tratamentos que antes pareciam simples, ganharam profundidade de análise e novos apontamentos a partir de pesquisa e atendimento integrados. Dentre vários, podemos destacar o tratamento da dor, do mal de Alzheimer e da síndrome de Down para exemplificar de forma mais profunda a importância das abordagens multiprofissional na saúde.

Tratamento multidisciplinar da dor

A dor é um sinal de que algo não está bem no organismo do paciente. Pode ser corriqueira e eventual, mas se perdurar por mais de três meses, é aconselhada uma consulta médica para identificar e solucionar a questão.

Pode ser muscular ou ter fundo nervoso, neurológico e até psicológico, o primeiro passo é identificar a natureza dessa dor. Por isso, o paciente tem que passar por uma equipe, uma bateria de exames e uma avaliação múltipla. Não são incomuns os casos de diagnóstico equivocado decorrentes do exame de um único médico.

Entram em cena então: neurocirurgiões, anestesistas, cirurgiões, fisiatras. Radiologistas farão os exames necessários para identificar a origem da dor. E no tratamento serão seguidos pelo especialista correspondente, seja um neurologista, um ortopedista ou traumatologista.

Tratamento multidisciplinar do mal de Alzheimer

Comum entre a população da terceira idade, a doença pode acarretar dificuldades na fala, na memória, na locomoção e afeta diretamente a independência das pessoas que apresentam a síndrome.

O tratamento deve amenizar os sintomas, que variam de pessoa para pessoa, e fazer o máximo para que a qualidade de vida e independência dela seja possibilitada. Entram em cena então, além de neurologistas, neurocirurgiões e geriatras, especialistas como ortopedistas, fonoaudiólogos, fisioterapeutas e reabilitadores.

Mas nada disso é eficaz se não houver também um acompanhamento psicossocial, para que o paciente possa ter conforto mental e sua família compreenda e ajude no que for necessário para amenizar os efeitos do mal de Alzheimer.

Tratamento multidisciplinar da síndrome de Down

É caracterizada por uma modificação em um cromossomo, que provoca alterações físicas e mentais no desenvolvimento da pessoa. Com um processo de desenvolvimento diferente das pessoas que não nascem com a síndrome, os pacientes de Down precisam de acompanhamento ao longo da vida. E é uma equipe multidisciplinar quem vai dar conta desse atendimento. A qualidade de vida dessas pessoas depende da equipe que as cerca.

Em primeiro lugar, um geneticista precisa monitorar as modificações genéticas do paciente. Questões como a fala e a locomoção também precisam ser acompanhadas por fonoaudiólogos e ortopedistas, para ajudar a desenvolver as capacidades dos pacientes. Portanto, é preciso um atendimento em grupo, de diferentes especialidades e pontos de vista, para abranger todas as necessidades de cada pessoa.

Os cursos multidisciplinares oferecidos em Fortaleza

Com um curso focado na atuação multidisciplinar em saúde, o graduado de qualquer área ou especialidade terá uma formação complementar, que o ajudará a aliar os seus conhecimentos com os de outras áreas requeridas. Trata-se de um curso que habilita o profissional a enxergar além do seu ponto de vista, contribuindo para uma visão mais completa.

O profissional deve escolher uma universidade de qualidade e reconhecimento, que oferecerá um curso com mais consistência e qualidade. A alta demanda por formação continuada e as constantes evoluções nas pesquisas e procedimentos da área da saúde refletem em uma grande oferta de cursos, com muitas opções para que se escolha entre aqueles que mais se adéquam aos objetivos e metas de cada profissional.

O profissional deve escolher uma universidade de qualidade e reconhecimento, que oferecerá um curso com mais consistência e qualidade. A alta demanda por formação continuada e as constantes evoluções nas pesquisas e procedimentos da área da saúde refletem em uma grande oferta de cursos, com muitas opções para que se escolha entre aqueles que mais se adéquam aos objetivos e metas de cada profissional.

Além disso, com foco no atendimento multiprofissional, os cursos multidisciplinares darão as bases formais para a atuação em equipe. Mesmo que não vá realizar procedimentos e interferir na área de um colega, o médico ou especialista precisa ter uma boa noção de até onde pode ir. E para isso, nada melhor do que um bom curso.

Em Fortaleza, há uma boa oferta de cursos de extensão com foco na atuação multidisciplinar. São cursos que dão as bases para uma atuação qualificada, múltipla e dinâmica, permitindo aos profissionais da saúde entrarem em contato com outras áreas importantes para a sua atuação.

Saiba mais aqui sobre alguns dos cursos oferecidos para os profissionais da cidade.

Auditoria de serviços em saúde

Embora não atue em atendimento a pacientes, a auditoria também é uma área multidisciplinar que envolve os conhecimentos de médicos especialistas, odontólogos, psicólogos, enfermeiros, entre outros, com um objetivo: manter o bom funcionamento de uma instituição de saúde.

O objetivo de uma auditoria é otimizar os recursos disponíveis para o atendimento ambulatorial em uma instituição de saúde, com o objetivo de eliminar desperdícios e aproveitar corretamente a estrutura em benefício aos pacientes. Cada especialista tem o seu papel na avaliação e nos apontamentos dos métodos mais eficazes para o dia a dia de um hospital ou clínica.

O enfermeiro, por exemplo, conhece os protocolos da área, bem como os equipamentos necessários e os profissionais envolvidos no desempenho de sua função. Dessa forma, ele pode avaliar e conduzir ao melhor uso dos recursos disponíveis, eliminando as chances de desperdício ou mau uso. Isso também ocorre com as demais especialidades.

Esse curso também pode ser feito por profissionais que não são da área da saúde, mas que participam da gestão de um hospital, como administradores. Todos conciliarão as visões de suas diferentes áreas para uma auditoria eficaz.

Embora não trate diretamente com os pacientes, a auditoria é importante porque possibilita um atendimento melhor a eles.

Atenção psicossocial a álcool e outras drogas

Para tratar da alcoolemia e da drogadição é preciso que se forme uma rede de apoio, com profissionais da saúde e da assistência social para cuidar de um problema altamente complexo e desafiador.

De nada adianta tratar apenas as consequências na saúde do sujeito que é dependente de substâncias químicas e bebidas alcoólicas. Da mesma forma, resolver apenas as questões sociais não traz bons resultados, uma vez que os sintomas físicos podem trazer a recaída. Portanto, eis mais uma área de atuação multidisciplinar da saúde: a atenção psicossocial do álcool e de outras drogas.

De tão complexo, o tratamento dessa questão envolve profissionais até mesmo de fora da área da saúde. Como advogados, que podem ser requeridos caso o paciente tenha se envolvido em crimes como consequência da drogadição.

Assistentes sociais e terapeutas ocupacionais também são importantes, pois tratam do ambiente no qual o paciente está inserido e as alternativas para afastá-lo de vez dos riscos de recaída. Tudo isso está intimamente ligado a uma equipe de saúde.

Psicólogos, psiquiatras e até neurologistas são fundamentais, uma vez que a dependência tem fundo psíquico e pode provocar consequências nervosas. Esse atendimento deve estar aliado a uma assistência às implicações físicas do vício em cada paciente.

Por exemplo, caso o dependente tenha desenvolvido problemas cardíacos devido ao abuso de substâncias, é preciso cuidar disso para evitar riscos de ataques e infartos. O uso abusivo de álcool também costuma comprometer as funções hepáticas do sujeito. Então, se for o caso, um especialista precisa dar conta desse tratamento.

Quais sejam as demandas que cada paciente viciado em álcool e drogas apresente, um atendimento coordenado e multidisciplinar deve ser articulado. Imagine uma situação na qual um psicólogo prescreve determinado medicamento e o clínico geral constata que uma de suas substâncias agrava alguma sequela do uso prolongado de drogas. Não é uma forma adequada de solucionar o problema.

Controle de qualidade dos alimentos

Há equipes multidisciplinares que vão além para prover um serviço ou atendimento qualificado ainda voltado para a saúde. É o caso do controle de qualidade dos alimentos, que pode reunir profissionais de nutrição, hotelaria, engenharia de alimentos, zootecnistas, entre outros, a fim de qualificar o controle e a administração de produção alimentar.

Por exemplo, os nutricionistas possuem o conhecimento em formular os cardápios com alta capacidade nutritiva e sabor. Já os biólogos, em agregar todas as informações bioquímicas relevantes para a alimentação humana.

A esse know-how, adicionam-se conceitos importantes sobre o armazenamento adequado, a distribuição mais eficaz e o manejo correto de cada insumo, conhecimentos próprios de áreas como engenharia de alimentos e administração. Controle de qualidade dos alimentos é uma área que, mais do que congregar diferentes saberes para atingir um objetivo, articula diferentes âmbitos de conhecimento que normalmente não são abordados em um curso de graduação, por exemplo.

É uma área de interesse crescente, uma vez que a alimentação segura é prioridade para todos aqueles que trabalham com hospitalidade e serviços de gastronomia.

Transtorno do Espectro do Autismo

O atendimento a pacientes com o Transtorno do Espectro Autista (TEA) deve reunir profissionais da área da saúde e da educação. Psicólogos, psiquiatras e neurologistas acompanham a origem e as implicações do transtorno no desenvolvimento dos pacientes. Fonoaudiólogos também podem ser convocados a atuar nesta equipe para melhorar as condições de expressão e fala dos pacientes.

Todos esses conceitos devem estar bem articulados com o acompanhamento pedagógico, que extrai do paciente toda a sua capacidade de absorver e processar informações, estimulando-o a evoluir e superar as limitações do TEA.

São pacientes com condições especiais de fala, expressão e relacionamento com o mundo. Portanto, precisam de estímulos específicos, que somente uma equipe múltipla de profissionais é capaz de prover.

E para integrar uma equipe multidisciplinar que atue com Transtorno do Espectro do Autismo, nada melhor do que cursar uma especialização, em que os profissionais de diferentes áreas aprenderão mais sobre a atuação do outro para um estudo aprofundado voltado para questões sobre o autismo, a fim de formar uma equipe integrada.

Saúde coletiva

As estratégias de saúde coletiva a serem implementadas nas Unidades Básicas de Saúde também podem ser melhor elaboradas a partir de uma equipe multidisciplinar. Em uma visão comunitária da saúde, focando nas características locais da população atendida pela Unidade e considerando o atendimento familiar e preventivo, diferentes especialistas se dedicam a elaborar e prover esse serviço.

Clínicos gerais, dentistas, pediatras e epidemiologistas estão entre os profissionais mais requeridos na saúde coletiva. Reforçando a equipe estão vigilantes em saúde, fiscais e gestores. Essas equipes trabalham com as políticas públicas para a saúde da família, o atendimento do Sistema Único de Saúde (SUS), bem como a gestão de recursos disponibilizados pelo governo.

Um curso nessa área congrega conhecimentos sobre o funcionamento da máquina pública no que diz respeito à saúde, além do atendimento comunitário e da prevenção. São noções que importam tanto ao profissional de saúde quanto ao administrador que vai trabalhar em equipes de saúde coletiva.

Além disso, esses profissionais monitoram as condições sanitárias, ambientais e epidemiológicas da comunidade em que estão inseridos. Por isso, precisam de uma visão macro, que compreenda a complexidade dos diferentes temas que envolvem o atendimento de saúde coletiva.

Integram este curso disciplinas de políticas de saúde, vigilância epidemiológica, sanitária e ambiental, saúde do trabalhador, financiamento em saúde, gestão de trabalho e de educação.

A multidisciplinaridade é o futuro em relação aos cuidados quanto à saúde, uma vez que a tendência é que todos os tratamentos venham a contar com mais de um tipo de profissional envolvido, provendo um atendimento humano e completo.

Os avanços na área da Saúde, tanto em questão de pesquisa quanto de tecnologia, tornam os atendimentos ainda mais complexos e aumentam a interseção entre as áreas. Portanto, os profissionais da Saúde devem estar atentos às oportunidades de qualificação e aproveitá-las da melhor maneira possível. Afinal, é crucial aprender com quem já tem experiência em multidisciplinaridade e qualificar a sua atuação a partir do conhecimento e do estudo.

Então, preste atenção nos cursos multidisciplinares e, na medida do possível, faça-os para aumentar suas qualificações e conhecimento em uma equipe de saúde.

Se você gostou deste conteúdo, assine a nossa newsletter. Assim, receberá em primeira mão informações para manter-se informado sobre o mercado de trabalho e as melhores opções de formação continuada!

Posts relacionados